Trabalhos

A escrita é um ofício em que todos somos aprendizes e jamais alguém será mestre.

Ernest Hemingway
Contos de amor, desejo e perda

Contos de amor, desejo e perda, de João de Mancelos, é um conjunto de histórias marcadas pelo signo da solidão. Dois amantes em fuga, uma jovem com um segredo perigoso, um ex-combatente a braços com a paz: todas estas personagens se encontram no limite e procuram a redenção através do amor. Excerto.

Introdução à narrativa cinematográfica

Introdução à narrativa cinematográfica, de João de Mancelos, foca aspetos como as personagens, o espaço, o tempo, o narrador, a estrutura, a intertextualidade, a adaptação e os géneros. Recorrendo a exemplos de grandes filmes, o autor propõe uma forma mais atenta de olhar para as histórias contadas no ecrã. Excerto.

O teu nome incendiado de azul

O teu nome incendiado de azul é o sexto livro de poemas de João de Mancelos. A obra é constituída por sessenta belas composições, agrupadas em três partes, cada uma focando uma realidade da existência humana: o amor erótico, a criação poética, a morte e o vínculo à eternidade. Excerto.

Todas as cores da América: A literatura multicultural

Os Estados Unidos da América constituem uma nação multicultural onde convivem vários grupos étnicos. Em Todas as cores da América: A literatura multicultural, João de Mancelos analisa contos de Maxine Hong Kingston, Rudolfo Anaya, Sandra Cisneros, Sherman Alexie, etc., acerca da identidade nos EUA. Excerto.

Mulheres fatais, detetives solitários e criminosos loucos

Mulheres fatais, detetives solitários e criminosos loucos: Estudos sobre cinema, de João de Mancelos, constitui o livro ideal para conhecer melhor a filmografia de Terrence Malick, Stanley Kubrick ou Alejandro Iñarritu. A obra aborda temas como o género policial, a reinvenção de mitos e o multiculturalismo. Excerto.

O pó da sombra

O pó da sombra é o quinto livro de poemas de João de Mancelos. Na primeira parte, o autor percorre a latitude da paixão, desde a perda ao júbilo, passando pela incerteza. Na segunda, evoca cidades de vários continentes, da mítica Atlântida às metrópoles da antiguidade, e capta o génio de cada lugar. Excerto.

Magia negra: A obra de Toni Morrison

Toni Morrison é uma das mais talentosas escritoras norte-americanas de sempre. Entre outras distinções de prestígio, obteve o Prémio Nobel da Literatura, em 1993. Magia negra: A obra de Toni Morrison, de João de Mancelos, analisa os principais temas desta autora: identidade, história, sobrenatural, etc. Excerto.

Manual de guionismo

Manual de Guionismo, de João de Mancelos, é um livro indispensável a quem desejar escrever um argumento para cinema. Inclui técnicas que levam o escritor desde a ideia à leitura final, passando pela construção das personagens e da intriga. Apresenta ainda numerosos exemplos e exercícios. Excerto.

Uma canção no vento: A poesia de Eugénio de Andrade

Eugénio de Andrade é um dos poetas mais célebres e estimados. A sua obra, traduzida em diversas línguas, continua a apaixonar os amantes da literatura. Em Uma canção no vento: A poesia de Eugénio de Andrade, João de Mancelos estuda a relação entre a obra deste autor e a literatura universal. Excerto.

Manual de escrita criativa

Em Manual de Escrita Criativa, João de Mancelos apresenta técnicas para escrever um conto, novela ou romance. Aprenda a recolher ideias, desbloquear a inspiração, construir uma personagem irresistível, estruturar o enredo, gerar suspense, criar uma atmosfera mágica, submeter o original a uma editora, etc. Excerto.

Introdução à escrita criativa

Como desbloquear a inspiração? Como inventar heróis de papel e tinta? Como criar histórias de suspense, que deixam o leitor sem fôlego? Como descrever paisagens? Como criar diálogos naturais? Introdução à Escrita Criativa, de João de Mancelos, sugere técnicas e exercícios a quem desejar escrever um livro. Excerto.

O marulhar de versos antigos: A intertextualidade em Eugénio de Andrade

Em O marulhar de versos antigos: A intertextualidade em Eugénio de Andrade, João de Mancelos analisa influência e a presença intertextual de vários escritores na obra do poeta português. Entre estes, destacam-se Lord Byron, John Keats, Percy Shelley, Walt Whitman, W. B. Yeats e Wallace Stevens. Excerto.

O que sentes quando a chuva cai?

Voyeurismo: desejo, fantasia, pecado? Quem nunca espreitou alguém pelo buraco da fechadura, folheou uma revista ousada ou assistiu a um filme erótico? Em O que sentes quando a chuva cai?, João de Mancelos explora esta deliciosa perversidade e transforma o leitor num voyeur e num cúmplice. Excerto.

Línguas de fogo

Línguas de fogo, o quarto livro de poemas de João de Mancelos, é um conjunto de textos divididos em várias secções: “os passos de ulisses” (em intertextualidade com a Odisseia, de Homero), “hiper-escrita” (homenagens a diversos autores), “epifanias” (poemas de amor), “pequenas prosas” (apontamentos do quotidiano). Excerto.

As fadas não usam batom

As fadas não usam batom, de João de Mancelos, é um conjunto de onze contos escritos num estilo ora melancólico ora bem-humorado. Nestas páginas, o leitor aprenderá a beijar uma rapariga com aparelho nos dentes, conhecerá uma atriz perdida num labirinto de máscaras, e descobrirá o segredo de dois gémeos. Excerto.

Foi amanhã

Em Foi Amanhã, de João de Mancelos, o leitor conhecerá um assassino extraterrestre, um par de gémeos ligados para além da vida, dois arqueólogos que descobrem a fonte da eterna juventude e um planeta onde os humanos são caçados como animais. Excerto.


João de Mancelos

João de Mancelos nasceu em Coimbra, em 1968. É doutorado em Literatura Norte-Americana, pós-doutorado em Estudos Literários e agregado em Estudos Culturais. É docente universitário. Publicou diversos livros de conto, poesia e ensaio.